quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Teologia Wesleyana: Inteira Santificação



A inteira santificação é um dos conceitos mais mal entendidos da teologia cristã, contudo, também é um dos mais influentes, ocasionando por isso, uma série de contravertidos desdobramentos. Oriundo da reflexão do teólogo John Wesley, a Inteira Santificação é ponto chave para as teologias das igrejas de tradição metodista e do movimento de santidade, além de ter influência direta sobre o movimento pentecostal. 

Considerada por muitos como uma teologia que cria a falsa ilusão de "super crentes", a Inteira Santificação se mal entendida pode abrir espaço para o farisaísmo legalista ou uma hiper-valorização das obras como prerrogativa de salvação, diante disso, o objetivo deste artigo é resumidamente esclarecer os fundamentos do conceito de Inteira Santificação.  

De acordo com a declaração de fé da Igreja do Nazareno - igreja oriunda do movimento de santidade, herdeira do legado wesleyano- a Inteira Santificação 

é a obra de Deus, subsequente à regeneração pelo qual os crentes são transformado a imagem de Deus [...] o ato de Deus, pelo qual os crentes são libertados do pecado original, ou depravação, e levados a um estado de inteira devoção a Deus e à santa obediência do amor tornado perfeito.
Produto de sua reflexão bíblica e da influência de suas leituras dos pais apostólicos- principalmente os orientais; dos místicos medievais católicos e do movimento pietista, a Inteira Santificação ou Perfeição Cristã está intimamente ligada ao conceito de fé defendido por Wesley, o qual não pode ser entendido apenas como uma certeza intelectual, mas uma espécie de experiência dinâmica, 

 Wesley professava uma fé que não era meramente uma afirmação intelectual ou um dom especialmente adicionado por Deus aos eleitos, mas um novo modo de vida, a entronização de um novo Mestre, ( WYNKOOP, p.73, 2004)


A fé wesleyana é relacional, ou seja, ela é a confiança constante do cristão e sua resposta afirmativa as graças de Jesus, a fé é a condição para o recebimento da salvação (WYNKOOP, 2004), o caminho e a condução pelo qual o cristão imerge nas mais profundas experiências da graça divina, a trilha pela qual o testemunho do Espírito caminha, comprovando no crente que ele é Filho de Deus, através da salvação justificação e santificação.  


Sendo assim, " A fé não é o fim, mas o meio para chegar ao fim de restaurar o homem ao amor de Deus derramado no coração" ( WYNKOOP, p.73, 2004), a fé de acordo com o pensamento de Wesley é operada pelo amor, também é um instrumento que tem por fim o amor, além disso, não pode ser encarada como algo estático, mas como uma potência ativa de amor. Sendo assim, " a fé resulta em fidelidade e obras de amor" e a "plena salvação é perfeição de amor e obediência"  ( WYNKOOP, p.73, 2004). 

A fé então tem um sentido ético. Significa um alinhamento da vida para agradar a Deus. [...] A fé evangélica é o fundamento para o novo amor e a obediência. E estes dois são o que a santidade é. [...] A perfeição cristã é o amor e a obediência que é a fé em Cristo inicia e desenvolve. ( WYNKOOP, p.74-75, 2004).

Apesar do nome Inteira Santificação ou Perfeição Cristã isso não significa que o cristão torna-se onipotente ou infalível, todo indivíduo é imperfeito e por isso fadado ao erro e as limitações humanas, bem como nunca alguém poderá, antes da glorificação, viver sem pecar, contudo a Perfeição Cristã é a certeza que livre pela graça nenhum cristão será dominado pelo pecado. 

A Inteira Santificação é portanto ter a mente de Cristo, a renovação da imagem de Deus em nós, o amor perfeito e a santidade interior e exterior. A santidade não pode ser entendida como ausência do pecado, pois isso é empobrecer tal conceito teológico, a santidade deve ser compreendida como a invasão do amor e a produção do fruto do Espírito na vivência do Cristão. A Santidade é a contínua restauração terapêutica que Deus opera em nós, mediante nosso relacionamento com Ele. 

Por fim, podemos entender Inteira Santificação da seguinte maneira, 

Num sentido, [a Perfeição Cristã] é a pureza de intenções, a entrega de toda a vida a Deus. É entregar a Deus todo o nosso coração; é ter um só desejo e um só desígnio a governar todos os nossos sentimentos. É consagrar não apenas uma parte, mas todo o nosso coração, corpo e substância a Deus. Num outro sentido, é ter toda a mente de Cristo capacitando-nos a andar como Cristo andou. É a circuncisão do coração de toda a sujeira, toda a poluição tanto interna como externa. É a renovação do coração na inteira imagem de Deus, a plena semelhança dAquele que o criou. E ainda noutro sentido, é amar a Deus com todo o nosso coração, e ao próximo como a nós mesmos. (AQUINO, 2012)
  
Referências


WYNKOOP, Mildred Bangs. Fundamentos da Teologia Armínio Wesleyana, Campinas: Casa Nazarena de Publicações, 2004.

INTEIRA SANTIFICAÇÃO. disponível em: http://www.igrejadonazarenoesperanca.org.br/igreja_nazarenoesperanca.asp?id=190. Acesso: 10/02/15

AQUINO, Magno. Teologia de John Wesley, 2012. disponível em: https://arminianismo.wordpress.com/2012/01/09/a-teologia-de-john-wesley/