sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

O que é Arrependimento?



A confissão de Augsburgo, documento central do luteranismo, afirma que o arrependimento verdadeiro, autêntico, propriamente outra coisa não é que sentir contrição e pesar ou terror por causa do pecado e todavia crer ao mesmo tempo no evangelho e na absolvição, isto é, crer que o pecado foi perdoado e que por Cristo foi obtida a graça, fé essa que volta a consolar e serenar o coração. 

O pensamento da confissão ecoa o sentido bíblico tanto veterotestamentário, quanto neotestamentário. No Antigo Testamento, arrependimento é voltar-se para o senhor de todo o coração e forças. Nos diz o profeta Isaías, de forma redundante, no cap. 31. 6: “ Vocês se afastaram para longe de Deus; mas agora arrependam-se e voltem para Ele”. No Novo Testamento, arrependimento é dinamizado, no sentido de que, para além de uma entrega e de uma volta,  há uma certeza de que progressivamente o Espírito Santo opera uma verdadeira transformação mental em nossas almas, mesmo que o processo seja doloroso. Confirmando isso, nos diz Paulo em 2º Coríntios 7.10: “Pois a tristeza que é usada por Deus produz arrependimento que leva a salvação”

Verdadeiramente o arrependimento é uma radical transformação de pensamento, atitude e direção. O arrependimento é uma revolução naquilo que é mais determinativo na personalidade humana, uma revolução que não é de autoria daquele que se arrepende, mas é fruto da graça universal de Deus, distribuída na pregação da palavra. Arrepender-se está para além do exercício humano puro e simplesmente, ou seja, independente.

Por fim, possamos saber que Arrepender-se é obra evangélica, não meritória. Não se pode  computá-la em nossa justiça, nem no nosso cumprimento da lei, arrepender-se faz parte da nova vida e esta é oferecida por Deus, universalmente, para aqueles que ouvem sobre Jesus.

Por hoje é só, acompanhe o blog também na página do Facebook:  https://www.facebook.com/refletindoagracaoficial/